sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Marina Colasanti e Ziraldo na Flist de 2104

A Flist acaba de receber o troféu da Campanha Paixão de Ler, concedido pela Secretaria Municipal de Cultura do Rio. Mais um reconhecimento à iniciativa do Ceat de realizar uma festa literária em Santa Teresa. Por falar nela, sua sexta edição já está sendo pensada pela equipe da Flist, que escolheu a escritora Marina Colasanti e o ilustrador e escritor Ziraldo como homenageados da próxima festa, marcada para 17 e 18 de maio de 2014. Marina e Ziraldo são um dos expoentes da geração de 1970, que deu nova vida à literatura infantil e juvenil brasileira, e merecem todas as nossas honras. A Flist vai também lembrar Dorival Caymi, que estaria completando 100 anos. Um tributo que, com certeza, é mais uma boa razão para nos encontrarmos, em maio, Santa Teresa.

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Para não esquecermos da quinta Flist

  A gente já está esperando a sexta Flist. Enquanto isso, matamos as saudades da realizada em maio.

quarta-feira, 1 de maio de 2013

A Flist é um bom programa para o fim de semana

A Flist começa este sábado, dia 4 de maio. Tem muita coisa bacana para fazer. Para conferir a programação, basta clicar aqui.

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Ana Maria Machado será a homenageada da Flist 2013

Em 2013, será a vez da Flist homenagear Ana Maria Machado, uma das maiores escritoras para crianças e jovens da língua portuguesa. Com 40 anos de carreia, ela tem mais de 100 livros publicados, somando mais de 18 milhões de exemplares vendidos no Brasil e em 18 países, em que seus títulos foram traduzidos. Ana é uma das autoras mais importantes da geração de novos autores da literatura para crianças e jovens no Brasil, surgida nos anos 70. Autora de clássicos como Bisa Bia e Bisa Bel e da série Mico Maneco, desde 2003, ocupa a cadeira número um da Academia Brasileira de Letras, e tem sua obra reconhecida por vários prêmios, sendo o mais importante deles o Hans Christian Andersen, recebido em 2000. Ana será homenageada pela Festa Literária de Santa Teresa, bairro em que nasceu, e, com certeza, vai proporcionar bons momentos para o público da festa promovida pelo Ceat. Vamos aguardar a programação da Flist, marcada para os dias 4 e 5 de maio.

sexta-feira, 4 de maio de 2012

A gente se vê este fim de semana, em Santa Teresa

O fim de semana promete em Santa Teresa, com a realização da quarta edição da FList (Festa Literária de Santa Teresa). O bairro, que vê o Rio de cima, vai receber, amanhã e domingo (dias 5 e 6 de maio), escritores, ilustradores, contadores de histórias, músicos e atores para louvar a magia da literatura. Literatura para crianças e jovens. Literatura para todos, como faz o homenageado da vez, Joel Rufino dos Santos. Ele, que crê no poder transformador da palavra, vai estar na festa para receber homenagens de seus pares e afagos de seus leitores. Não será só Joel que vai receber loas. 2012 é um ano de muitas lembranças. Darcy Ribeiro faria 90 anos, Nelson Rodrigues e Luiz Gonzaga, 100. Datas a serem comemoradas pela Flist, que programou debates e homenagens a estes grandes de nossa cultura. No mais, é a alegria de sempre, que terá fecho de ouro com o show do Cordão do Boitatá. Dá uma olhada na programação. A gente se encontra no Parque das Ruínas. 

Joel em exposição


sexta-feira, 27 de abril de 2012

Um bate-papo de Joel com os alunos do Ceat

O homenageado da 4ª Flist, Joel Rufino dos Santos, esteve no Ceat para um encontro com alunos do ensino fundamental e médio da escola. A conversa com as crianças e os adolescentes, como sempre, foi muito bacana.

terça-feira, 10 de abril de 2012

Por um Brasil Literário

A Flist está no site do Movimento por um Brasil Literário. Um orgulho para quem acredita que a literatura seja uma experiência que enriquece a vida. Este post é uma boa oportunidade para lembrarmos da bela frase de Joel Rufino dos Santos, o homenageado deste ano: "Eu sempre acreditei, até hoje, que a literatura é uma forma superior de conhecimento. Na formação de um menino (a) um pai deve inserir bastante literatura. É isso - se conseguirmos - que os tornará mais humanos, mais interessados nas experiências dos outros." 
Quem quiser aderir ao movimento lançado, em 2009, basta clicar aqui e assinar. 

sexta-feira, 30 de março de 2012

Cordão do Boitatá vai encerrar a Flist 2012

O encerramento da Flist é sempre um acontecimento, em Santa Teresa. Com o Parque das Ruínas lotado, a festa literária se despede de seu público com música para animar e promover o congraçamento. Este ano não será diferente. No domingo, dia 6 de maio, às 18h, o Cordão do Boitatá - aquele mesmo que lota a Praça XV, no carnaval! - vai levar a maravilha da música popular brasileira para o palco principal do Parque das Ruínas. O grupo, formado em 1996, bebe na fonte de festas populares brasileiras, como o carnaval, o pastoril e as juninas, para compor seu  repertório de músicas da tradição da MPB e da nova geração. Tenho certeza de que vai ser mais um belo momento da Flist, para ir, curtir e lembrar!

terça-feira, 27 de março de 2012

Uma mesa para lembrar Darcy Ribeiro

Os 90 anos do antropólogo e educador Darcy Ribeiro, que faleceu em 1997, serão lembrados pela Flist em uma mesa composta por Paulo Ribeiro, presidente da Fundação Darcy Ribeiro, Eric Nepomuceno, parceiro de Darcy em sua lutas e fazimentos, Yolanda Lobo professora doutora da Universidade do Norte Fluminense (UENF), pesquisadora, e estudiosa de sua obra, e Luiza Aieta, coordenadora do Ensino Médio do CEAT e companheira de lutas de Darcy.  O bate-papo será dia 5 de maio, na Varanda dos Autores, no Parque das Ruínas. Homem de personalidade exuberante, que conseguiu enganar a morte, Darcy ajudou a criar a Universidade de Brasília e foi o idealizador do projeto dos Cieps, de escola pública em tempo integral, e da UENF. O mineiro de Montes Claros teve marcante atuação política no Rio, tendo sido vice-governador e senador da República, quando fez o Brasil rir ao declarar que o "Senado é melhor do que o céu. Nem é preciso morrer para entrar nele". Em seu discurso de posse na Academia Brasileira de Letras, deixou o apelo: "Estou certo de que alguém, neste resto de século, falará de mim, lendo uma página, página e meia. Os seguintes menos e menos. Só espero que nenhum falte ao sacro dever de enunciar meu nome. Nisto consistirá minha imortalidade." Salve, Darcy!

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Flist é finalista do prêmio Vivaleitura

O Ceat (Centro Educacional Anísio Teixeira) é um dos 15 finalistas do Prêmio Vivaleitura, concedido pelos ministérios da Educação e da Cultura e pela Organização dos Estados Ibero-Americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura. O Ceat concorre com quatro instituições de ensino na categoria "Escolas públicas e privadas", com o projeto da Festa Literária de Santa Teresa (Flist), que a escola promove desde 2009. Ao todo foram inscritos 1.865 projetos de experiências desenvolvidas em todo o Brasil por bibliotecas, escolas e entidades. O Vivaleitura, que tem edição anual desde 2006, tem o objetivo de democratizar o acesso ao livro, estimular a leitura e a formação cidadã, apoiar a criação e a produção literárias, e reconhecer iniciativas de escolas, bibliotecas e instituições. A cerimônia em que serão revelados os vencedores das três categorias do prêmio será realizada em 10 de novembro, no Rio de Janeiro. Cada vencedor receberá um prêmio de R$ 30 mil. 

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Um pouquinho de Joel Rufino dos Santos

Joel Rufino dos Santos é um carioca do subúrbio, que se apaixonou pela historiografia marxista na juventude, militou na política e na luta armada, foi preso, exilado e acabou transformando-se em um premiado escritor de livros para crianças, jovens e adultos. A obra de Rufino é formada por mais de 20 títulos, que vão desde o livro didático ao romance histórico, passando pelo teatro, roteiros de televisão e literatura infantil. Foi subtitular da Secretaria Extraordinária de Defesa e Promoção das Populações Negras do Estado do Rio de Janeiro (1991/92) e presidiu a Fundação Cultural Palmares do Ministério da Cultura, sendo uma referência na cultura afro-brasileira. A gente pode ver um pouquinho dessa obra com o vídeo com a animação de O presente de Ossanha, de Rufino, editado pela Global e ilustrado por Maurício Veneza. Vale a pena ler também a entrevista que ele concedeu ao jornalista Luciano Trigo, do blog Máquina de Escrever. 

Joel Rufino dos Santos será o homenageado da Flist 2012

Em 2012, a Flist terá uma novidade. Além de seu homenageado, que, no próximo ano, será o premiado escritor e historiador Joel Rufino dos Santos, a Flist lembrará os centenários de Jorge Amado, Nelson Rodrigues e Luiz Gonzaga, nosso Gonzagão, e os 90 anos de Darcy Ribeiro. A programação promete. Vamos aguardar!

sábado, 14 de maio de 2011

Um trio com boas novidades

Luiz Raul Machado, Christina Diaz e Tino Freitas se apresentaram juntos, no Café Literário, e garantiram bons momentos para quem os assistiu. Tino lançou mão de seu violão e de sua experiência de mediador de leitura, no projeto Roedores de Livros, em Brasília, para falar de seu livro Controle Remoto, editado pela Manati, e conversar com as crianças e os adultos que o assistiam. Christina levou seu livro Celina, pela DCL, e uma caixinha onde guardou alguns objetos para propor ao público a construção de uma história. Luiz Raul Machado confessou sua timidez na hora de apresentar seu Cartão Postal, também pela DCL, mas não deixou de participar do animado bate-papo com as crianças e os adultos que lotaram o Café Literário.

Realejo poético


As crianças do período integral do Ceat fizeram um realejo poético e distribuíram simpatia e versos para quem passou pela Flist.

Ecos do Dona Marta

O grupo Ecos do Dona Marta se apresentou no auditório do Parque das Ruínas e lotou a plateia.

Penas e panos no Morro dos Prazeres

As crianças da Escola Municipal Júlia Lopes, que fica no pé do Morro dos Prazeres, também se envolveram na Flist. O resultado foi a exposição Penas e Panos, que mostrou o trabalho de colagem das crianças, inspiradas em leituras de obras de Bartolomeu. A escola tem uma antiga relação com o Ceat, que promoveu a Flist. Ano que vem tem mais!

Palmas para o compositor popular






Os alunos do ensino médio do Ceat lotaram o auditório do Parque das Ruínas, logo no início da tarde de sábado, dia 14, com seus familiares e curiosos, onde apresentaram um sarau musical em homenagem às obras centenárias de Assis Valente e Nelson Cavaquinho. Dá uma olhada nos adolescentes suando a camisa para fazer bonito. E fizeram!

Amazonas: um mundo marcado pelas águas

Flávia Lins e Silva chegou junto com a chuva e sentou-se no Café Literário para falar de um mundo marcado pelas águas, que encontrou em sua viagem ao Amazonas. Um mundo que lhe deu inspiração para escrever o belo livro Mururu no Amazonas, editado pela Manati, que ela levou debaixo do braço para apresentar ao público da Flist. As histórias de sua viagem pelo rio, no barco do fotógrafo Pedro Martinelli, e do processo de criação do livro, cuja personagem principal é a menina Dorinha, encantou a todos. Flávia aproveitou para contar uma novidade. Ela gostou tanto da viagem à região, que repetiu a dose para preparar um novo livro que será lançado em outubro. Desta vez, será a vez de sua personagem-viajante Pilar visitar o Amazonas. Vamos aguardar!
Foto: Rodrigo Azevedo

De manhãzinha, no Café Literário

O Café Literário encheu para ouvir as histórias das escritoras Sônia Travassos, Sônia Rosa e Márcia de Castro Lopes que falaram para as crianças de suas esperiências como criadoras de histórias para crianças e de seus livros recém-lançados.
Uma história para três meninas
, de Sônia Travassos, O menino de olhar apertadinho que enxergava longe, de Sônia Rosa, e Solidariedade: uma grande palavra grande, de Márcia, deram o caldo da conversa com as crianças e adultos.

A Flist começa com chuva, frio, histórias e Bartô

Chuva e frio surpreenderam quem acordou cedo no sábado, dia 14, para ir à Flist. Mas o mau tempo não foi suficiente para espantar o público da festa, no Parque das Ruínas, que começou, às 9h, com contação da histórias na tenda da Emabrinq - diga-se de passagem um sucesso - e o lançamento do jornal Língua pra Brincar dos alunos do ensino fundamental do Ceat. Bartolomeu, o homenageado da festa, já estava lá para receber o carinho das crianças e brindá-las com seu terno sorriso. Confere só as fotos!

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Uma agenda de bons lançamentos



A programação da Flist está cheia de lançamentos de livros para crianças, jovens e adultos. Só para citar alguns, tem o Cartão postal, de Luiz Raul Machado (foto), ilustrado por André Neves e editado pela DCL; e Um quilombo no Leblon, de Luciana Sandroni, ilustrado por Carla Irusta e editado pela Pallas. Dá só uma olhadinha aqui para ver o que mais te agrada.

100 anos de sambas imortais

Nelson Cavaquinho e Assis Valente, dois grandes de nossa música, se vivos estariam completando 100 anos. Os alunos do Ensino Médio do Ceat não quiserem deixar a data passar em branco e resolveram montar um sarau de música e dança para apresentar sábado, dia 14, às 13h, no palco da Praça Caio Guimarães, no Parque das Ruínas. O espetáculo é dirigido pelas professoras da escola Beth Albano, de música, e Márcia Feijó, de expressão corporal, e vai levar para o palco os sambas imortais destes dois bambas em seus centenários. Para anotar na agenda e comparecer.
PS: Quem quiser uma palinha deste belo repertório, tem aí embaixo dois biscoitos finos na voz de duas grandes cantoras.

Um papo sobre Indez

"Indez é a pedra angular. O ovo que, permanecendo no ninho, leva a galinha a botar ali vários outros. Ovo que, segundo Adélia, conterrânea de Bartolomeu, "é um sol ocluso, onde o que vai viver espera. Indez, memória poética e muito carnal da infância do Antônio que somos, é ninhada de páginas de vida. No nosso encontro, na nossa palestra dialogada, Letícia, Suzana, eu e você vamos trocar ideias sobre o que é indez na nossa formação, pedra angular na constituição de pessoas melhores, para uma sociedade melhor. Ler ou não ser!" Com estas palavras o deputado Chico Alencar, escritor e ex-professor do Ceat, resume o que será domingo, dia 15, às 11h, a mesa Palestra dialogoda: indez o ninho dos melhores valores, na Varanda dos Autores, no Parque das Ruínas. Chico dividirá a mesa com a atriz Letícia Sabatela e a escritora Suzana Vargas para falar sobre um dos mais conhecidos livros de Bartolomeu Campos de Queirós.

Para ler, curtir e amar os ilustradores

Guto Lins e Salmo Dansa, dois ilustradores com características bem peculiares, vão conversar domingo, às 10h, com o público da Flist, no salão do Parque das Ruínas. Guto é um profissional multimídia e em suas ilistrações brinca com formas, imagens, recursos de computador, fotos, etc. Salmo, por sua vez, inova a cada trabalho, já tendo usado azulejos com sabonete derretido, calda de açúcar e até fios de cabelo. Ambos já receberam vários prêmios, como o selo Altamente Recomendável, concedido pela FNLIJ. O bate-papo é voltado especialmente para o público infantil, com mediação da professora da UFRJ Leonor Werneck dos Santos, que trabalha há mais de 15 anos com literatura infantil.

quinta-feira, 12 de maio de 2011

As crianças e o seu tempo

A criançada da Educação Infantil do Ceat não vai ficar de fora da Flist. Os alunos, de um a cinco anos, produziram pequenos depoimentos e desenhos com suas ideias sobre o tempo, inspirados pelo belo livro Tempo de Voo, de Bartolomeu Campos de Queirós, editado pela SM. O painel com esta produção vai estar exposto no pátio do Parque das Ruínas para quem quiser ver. Vale a pena conferir a criatividade dos pequenos.

Uma aventura em texto e imagens

A ilustradora Ana Maria Moura, que presenteou a Flist com a bela logo do folder com a programação da festa, vai lançar domingo, às 15h, no Café Literário, no Parque das Ruínas, seu primeiro livro como autora de texto e imagens. A raposa e o rouxinol, pela Cortez Editora, conta a história de Rita, uma menina muito curiosa que vivia sonhando acordada. Tudo que observava, despertava sua imaginação fértil. Um dia, ela acordou com o barulho da chuva, mas o céu estava azul e o sol brilhando. Ela nunca tinha visto nada parecido. Que mistério seria esse? Em busca de uma resposta, Rita embarca em uma viagem poética e cheia de descobertas pelo passado de sua família e pela cultura popular. A história, conta Ana Maria, foi inspirada nos ditados que ouviu mãe repetir muitas vezes quando era criança. A Flist tem um elo com seu passado, já que morou no bairro na década de 1970 e seus filhos estudaram no CEAT. Quem quiser conhecer um pouco mais o trabalho de Ana Maria é só dar uma passadinha no salão do Parque das Ruínas para ver o Mapa de Santa Teresa, que ela ilustrou, em 2005, para a FAPERJ.

Do amigo Frei Betto

Olha que luxo! O jornal Língua pra brincar dos alunos do primeiro segmento do fundamental do Ceat, que será lançado sábado às 9h e relançado às 14h, traz um bonito depoimento do escritor Frei Betto sobre seu amigo Bartô, nosso homenageado. Dá uma lida!
"Bartolomeu Campos de Queirós é um querido amigo. Temos muito em comum: nascemos na mesma terra (Minas Gerais), no mesmo ano (1944), no mesmo mês (agosto), no mesmo dia (25) e, o mais importante, somos marcados pelo mesmo destino: o prazer de escrever. Mas ele escreveu muito mais do que eu: tem 66 livros publicados! Eu só tenho 54. Mas se Deus quiser ainda hei de alcançá-lo...

Bartô, como os amigos o tratam, é um ourives da palavra. Agarra um substantivo ou um adjetivo e faz dele um poema. Ele, que só escreve prosa, embora seja de vocação poeta, faz de fato proesia. Poesia em forma de prosa.

Bartô é vizinho de minha mãe em Belo Horizonte. Cada vez que vou àquela capital, dou um jeito de encontrá-lo. Somos diferentes no jeito de ser: ele, nascido no interior; eu, na capital. Sou extrovertido e ele, introvertido. Sou falador; ele, de poucas palavras.

Semana passada Bartô e eu tomamos um vinho. Ou melhor, comungamos, porque vinho é bebida sagrada... Falamos de seu mais recente romance: VERMELHO AMARGO - uma preciosidade literária! E, a certo momento, ele me disse que, à noite, costuma ficar na janela do apartamento em que mora, olhando o céu, as estrelas, e então sente muita saudade do mundo...

Ler os livros de Bartolomeu Campos de Queirós é nutrir o espírito e redescobrir a magia das palavras e a beleza da vida."

Um livro para desenrolar a virgindade


Os adolescentes vão ter o que falar sábado, dia 14, às 16h, durante o bate-papo com as autoras do Desenrola, de Juliana Lins e Rosane Svartman, editado pela Agir, na Varanda dos Autores, no Parque das Ruínas. Desenrola é um romance adolescente que nasceu do filme homônimo (veja o trailer) e tem o roteiro assinada pelas mesmas autoras. A história gira em torno da ansiedade de Priscila, de 16 anos, perder a virgindade. A adolescente fica sozinha em casa por três semanas, quando a mãe viaja a trabalho. Nesse curto espaço de tempo, tudo acontece, muitas coisas pela primeira vez! A graça aqui é que cada capítulo é narrado por um dos personagens principais, a própria Priscila e Boca, um moleque engraçado da turma (com algumas intervençoes do mala do Amaral, claro). O bate-papo com as autores promete!

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Ana e Edna unidas pela literatura

Ana Cristina Melo e Edna Bueno têm muito em comum. Além do amor pelas palavras, de serem colegas na AEILIJ (Associação de Escritores e Ilustradores de Literatura Infantil e Juvenil), ambas têm formação técnica, mas carregaram toda vida uma paixão adormecida pela escrita. Ana Cristina se formou e ainda trabalha como Analista de Sistemas. Edna se formou e trabalhou como Engenheira Química. Hoje, já faz algo que é o sonho de Ana, se dedicar apenas à literatura. No encontro marcado para domingo, dia 15, às 11h, no salão do Parque das Ruínas, elas prometem falar de livros, sonhos e paixão pela escrita, além de conversar com as crianças e os jovens sobre literatura, prazer de ler e seus últimos lançamentos. Ana Cristina Melo falará de sua novela juvenil Caixa de Desejos e da continuação, o romance juvenil De volta à Caixa de Desejos, que será lançado em junho. No mesmo mês, ela lança seu infantil Uma turma para Dora. Edna Bueno, por sua vez, falará de seus livros Entre os bambus, A Ingrid veio ver o mar e Vovó e vento, quanto movimento!.

Na luta para formar leitores

A Flist não poderia deixar de incluir, este ano, em seu programa uma mesa sobre promoção de leitura, não só pela importância do tema, mas também pelo apreço que seu homenageado tem por ele. Bartolomeu Campos de Queirós, como todos sabem, é um militante incansável do Movimento por um Brasil Literário. Mas ele tem pares neste esforço e muitos deles estarão na mesa cordenada pela professora do Ceat Eliane Mello, domingo, dia 15, às 15h, no salão do Parque das Ruínas. Terão lugar no debate gente que há muito tempo luta pela democratização da leitura em nosso país, como Elizabeth DÁngelo Serra, a presidente da Fundação Nacional deLiteratura Infantil e Juvenil (FNLIJ), Gabriela Gibrail, uma das cordenadoras da Flipinha, de Paraty, Leda Fonseca, cordenadora das Bibliotecas Públicas Municipais do Rio, e Volnei Canônica, coordenador do programa Prazer em Ler do Instituto C&A. O debate promete e, por isso, não dá para perder!

terça-feira, 10 de maio de 2011

Deu no Globo!

Valeu, Ancelmo!

Bartô autografa Vermelho Amargo

Bartolomeu Campos de Queirós vai estar sábado, às 15h, no salão do Paque das Ruínas, para autografar seu novo livro Vermelho Amargo, recém-lançado pela Cosac Naify, e receber as na Flist as homenagens merecidas. Em seu novo livro, de inspiração autobiográfica, Bartô, como é conhecido pelos amigos, apresenta um narrador em primeira pessoa que revisita a dolorosa infância, marcada pela ausência da mãe substituída por uma madrasta indiferente. Neste depoimento de inspiração autobiográfica, a prosa poética de Bartô é dolorosamente bela. Como ele mesmo coloca na epígrafe, foi preciso deitar o vermelho sobre papel branco para bem aliviar seu amargor. "Uma obra delicada como arame farpado", nas palavras do diretor teatral Gabriel Villela, que assina o texto de quarta capa da caprichada edição da Cosac.

Tino Freitas ao encontro de seu público

Tino Freitas desembarca sábado, às 14h, na Flist, com os livros Cadê o Juízo do Menino? e Controle Remoto, ambos editados pela Manati, e seu violão para falar com seus pequenos leitores, no Café Literário, no Parque das Ruínas. A tarefa é moleza para Tino que é um dos cordenadores do grupo Roedores de livros, de promoção de leitura em Ceilândia, Brasília, e roda o Brasil para curtir livros e seu público. Cadê o Juízo do Menino? foi o primeiro livro de Tino e é ilustrado pela craque Mariana Massarani. A dobradinha Tino e Mariana se repetiu em Controle Remoto, que ganhou o selo Altamente Recomendável da FNLIJ e um honroso lugar na seleção de livros brasileiros que constam do Católogo de Bolonha, de 2011. Bom programa para os pequenos que ainda vão poder curtir o bom humor do autor.

PS: Na foto, Tino está acompanhado de Mariana e do artista Getúlio, que também estará na Flist.

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Livro digital versus livro impresso


A Flist não ficará alheia ao debate sobre o livro digital e o futuro do livro impresso. Os ilustradores e escritores Maurício Veneza e J.P. Veiga, que já ilustrou ebooks, vão participar sábado, dia 14, às 14h, na Casa Paschoal Carlos Magno, de uma mesa sobre o tema, que terá como mediadora a escritora Sandra Pina. O vídeo acima é só para colocar uma pimenta na discussão.

A África por seus mitos e lendas

Os escritores Rogério Andrade Barbosa e Georgina Martins estarão na Flist sábado, dia 14, às 10h, na Casa Paschoal Carlos Magno, para falar da África na Literatura Infantil. A obra de Rogério, que foi voluntário da ONU na Guiné-Bissau, é uma das mais importantes referências no Brasil do folclore africano. Georgina compartilha o mesmo encanto pela cultura africana, presente em muitas de suas obras. Além disso, é professora do curso de Pós-Graduação em Literatura Infantil e Juvenil da Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro e vice-presidente da Associação dos Escritores e Ilustradores de Literatura Infantil e Juvenil (AELIJ). O encontro dos dois na Flist é uma boa oportunidade de se conhecer um pouco mais da beleza dos mitos e lendas africanos.

Cordel pelos tapetes do Costurando

Vai ter cordel na Flist com a história A peleja do violeiro Magrilim com a formosa princesa Jezebel, de Fábio Sombra. E o que é ainda melhor, contado nos tapetes do grupo Costurando Histórias, que se apresenta domingo, às 11h, no Café Literário, no Parque das Ruínas. O grupo, coordenado por Daniela Fossaluza, é cria das oficinas promovidas no Brasil pelo francês Tarak Hammam que, junto com sua mãe, a educadora Clotilde Hammam, criou a técnica de contar histórias usando tapetes como palco da narrativa. Daniela, neste espetáculo, divide os tapetes com Denise Gonove e Cezar Augusto Pereira, encantando crianças e adultos. A parceria do grupo com Fábio Sombra foi tão bacana que deu cria. Daniela e Denise assinam as ilustrações do livro As dez filhas de seu João, editado pela Abacate, em que usam tapetes para dar vida ao tangolomango de Fábio. Vale lembrar que o autor também vai se apresentar na Flist. Ele estará às 10h, no auditório do Parque das Ruínas, apresentando Literatura de Cordel Cantado para crianças. Boas oportunidades para se curtir o cordel.

Coralito nas asas das canções dos festivais

Quem gosta de MPB não pode perder domingo, dia 15, às 16h, no auditório do Parque das Ruínas, o espetáculo Coralito nas asas das canções dos festivais. O grupo é regido por Ignez Perdigão e nasceu da vontade de alguns pais de alunos da orquestra Flautistas da Pró-Arte de fazer bom uso do tempo de espera. Que tal cantar enquanto os filhos tocam? Foi a sugestão de Rosa Lima, mãe do flautista Rodrigo. Com os pais vieram os amigos e lá se vão dez anos de vida cantante, batalhada em ensaios semanais e desfrutada em um modesto mas delicioso curriculum vitae. Entre idas e vindas agora eles são vinte e um, coro, regente, o violonista Alberto Americano e o percussionista Chico Cabral.
No espetáculo que apresenta na Flist, o Coralito homenageia a época áurea dos festivais da canção, que fizeram história na MPB. Os arranjos das músicas do repertório são contemporâneos, inspirados nos originais e adaptados à formação do Coralito ou criados por André Protásio, Ignez Perdigão, Lindenbergue Cardoso e Marcos Leite. No repertório, clássicos como Alegria, Alegria; Ponteio, Roda Viva, Sinal Fechado e outras menos conhecidas, mas não menos lindas, como Fala baixinho, do mestre Pixinguinha.
Para ver e apreciar!